Saltar para o conteúdo

Alemões

Janeiro 17, 2022

Há uns anos, éramos adolescentes, fomos para os copos e apanhámos uma carraspana daquelas à moda de Bukowski. Essa noite ficou-nos na memória porque um do grupo desapareceu praia adentro às tantas da madrugada. Estávamos num bar em cima da praia. Ninguém quis saber, que safoda pensámos nós. Quando já estávamos a sair do bar ouvimos alguém aos berros na praia. Era o nosso amigo que vinha ao nosso encontro e gritava “Fujam! Vêm aí os alemães!” Caputa de bebedeira!
Lembrei-me disto ao ver todos os canais em directo, todos, porque chegou um avião com 26 alemães. Vinte seis! Caputa de carraspana, moço!

Not lost in translation

Janeiro 17, 2022

No que diz respeito à literatura portuguesa só leio no original. Nada de traduções.

Tempo II

Janeiro 17, 2022

Hoje de manhã peguei no relógio para sair e estava sem bateria. Fui buscar um segundo, estava sem pilhas. Fui buscar um terceiro, também sem pilhas. Concluindo, nem o tempo tem tempo para mim.

Tempo

Janeiro 17, 2022

Acendia e apagava o isqueiro. Acendia e apagava o isqueiro continuamente.

– Estás nervoso?

– Não, estou a queimar tempo.

Ganda boi…

Janeiro 17, 2022

Hoje o cabrão do gato chamou-me gordo indirectamente. Deitou-se em cima de mim e encostou a cabeça na barriga como se fosse um travesseiro. O animal…

WTF!

Janeiro 17, 2022

Há uns tempos vi um “”””filme”””” de Michael Bay. Para quem não acompanha estas lides pirotécnicas, eu explico. O Michael Bay está para o cinema como o Chagas Freitas está para a literatura. Ninguém sabe muito bem que raio é que fazem. Apenas se sabe que vendem muito.
A coisa que vi ontem tem umas cenas filmadas em Florença logo no início. Foi isto que me fez, digamos, continuar a ver o acidente. É difícil resistir a tanta chapa batida, tanto sangue Heinz, tanto crash test dummies, sei lá, faz-nos lembrar aqueles carrinhos de choque na festa da Nossa Senhora dos Alfinetes, com aquela rede em cima da nossa cabeça a largar faísca fruto do contacto que aquele ferro que temos nas traseiras do nosso carro faz ao cruzar-se com os outros bêbados ao volante dos carros rodeados de borracha [respira…]. Um gajo dá por nós a pensar (sim, eu também penso por vós): aquilo foi filmado no local, em estúdio ou em CGI? (não sabes o que quer dizer isto? Vai ao google que agora estou a escrever este post e tenho mais que fazer). Então, resolvi ir ao Google procurar a resposta. E finalmente cheguei onde queria chegar. Diz a Wiki que o próprio Michael Bay ficou surpreendido quando foi autorizado a filmar na zona histórica de Florença! O gajo que está habituado a gastar milhões de milhões a destruir merdas nem queria acreditar! Uma corrida de carros no centro de Florença. Cafilhadaputa. Calma que ainda não acabou. A maior surpresa ainda estava para vir: foi autorizado a filmar carros a voar sobre um obelisco com oitocentos anos (diz a Wiki). E agora cito o próprio M. Bay: “Como é que me autorizaram filmar carros a voar sobre um obelisco com oitocentos anos, nem eu sei. Mas não partimos nada.” Dei por mim a pensar, ainda bem que o Cabrita não faz filmes. Quer dizer..

Assim se vê

Janeiro 17, 2022

Segundo as notícias, o Medina é filho de comunistas, o Antonio Costa é filho de comunista e agora o Moedas também é filho de “um histórico comunista” (sic). Se fosse verdade que eles comem criancinhas ao pequeno-almoço nada disto acontecia.

Alheiras

Janeiro 17, 2022

Subia as escadas rolantes quando me cruzei com um grupo de “populares” que descia as escadas ao lado. Diz um deles: “Muito gostam as pessoas de se meter na vida alheira dos outros”. Aposto que eram de Mirandela.

Oráculo

Janeiro 17, 2022

Fui ao talho comprar uns bifes de frango. Não estava mais nenhum cliente. Só se ouvia o barulho das facas e a televisão ligada. Na televisão passava em rodapé em letras grandes “Homem esquartejado pela namorada”. Virei-me para o talhante e disse: “Corte os bifes bem fininhos, por favor”. Agora percebi porque chamam oráculo àquelas letras em rodapé.

Capital

Janeiro 17, 2022

Portugal é o país do mundo com mais capitais. Descobri mais três. Capital da maçã de montanha, capital da carne de caça e capital de mais uma merda qualquer que não me lembro. Capital temos muito, dinheiro é que é o caralho…

Uni-vos

Janeiro 17, 2022

Podem fazer as análises que quiserem, mas eu sei onde vou votar nas próximas eleições e quero que se foda o resto. Jamais esquecerei o governo passos-portas, jamais. Por isso, à direita sugiro o conselho do Fredo Brilhantina, “arrombador de beículos ligeiros” na baixa do Porto, “ide partir brita com as bordas do cu”.

Ah pois é, bebé

Janeiro 17, 2022

Li uma frase intrigante: “Uma grande parte dos militantes socialistas não querem o socialismo.”

George, vês o que fizeste?!

Janeiro 17, 2022

“Guerra é Paz; Liberdade é Escravidão; Ignorância é Força”

Enquanto esperava o metro senti-me mesmo parte da distopia de Orwell.

“Perigo de morte”
“Controlar a pandemia também depende de si”
“You dare we care”
“Onde há Sagres há fogo de artifício”

Actualizem-se, pá!

Janeiro 17, 2022

Bem sei que todas as palavras têm uma origem, mas o uso de algumas delas não lembra ao diabo. Por exemplo: chamar à prestação do seguro “Prémio” ou “Fogo” às casas. Não se arranja umas coisinhas melhores?

O contador de cartas

Janeiro 17, 2022

O melhor filme que vi este ano (ainda estou em 2021 e apenas dos que estrearam recentemente) foi… acho que não foi visto o suficiente a avaliar pelos posts do fakebook. Fala-se muito do “Don’t fuck up“, até percebo porquê, mas o filme de que eu quero falar merece ser visto. Grande interpretação de Oscar Isaac, muito contido, apesar de sentirmos que pode rebentar a qualquer momento. Mas não. A realização mesmo nos planos abertos é claustrofóbica, como pretendida, tudo em contenção. Os casinos sem qualquer ponta de glamour, parecem barracões nas zonas industriais da periferia, frios, tristes como a personagem, sente-se um vazio interior em tudo, nos espaços e na alma das personagens. Quando o filme acaba não nos sentimos arrebatados, não, ficámos como a figura central do filme, vazios. Queremos a rotina, a vulgaridade e pagar pelos nossos pecados à procura da redenção. The Card Counter.

A minha realidade imita a ficção

Janeiro 17, 2022

Há uns tempos escrevi um post a gozar com os carros da polícia nos filmes. Quando recebiam a chamada de um crime estavam sempre, era certinho, na direcção contrária. Meia-volta a grande velocidade, os pneus a chiar e lá iam eles.

Hoje conclui que acontece sempre a mesma coisa quando acendo um cigarro na rua. Estou sempre contra o vento, sempre. Tenho de me virar e fazer de pára-ventos para acender o mesmo. Esta vida é mesmo irónica.

Há lugares assim

Setembro 20, 2021

«Há lugares assim, que constituem por si mesmos uma memória e impregnam os edifícios que acolhem. O Centro Português de Fotografia é a mais recente narrativa que este espaço-limite definiu (…)

Caderno de citações

Março 13, 2021

Encontrei um caderno com citações. Não sei qual a fonte de nenhuma, fui apontando no caderno ao longo dos anos. Eis algumas:

«Sabes que só há repouso para o sofrimento quando se entra no primeiro dia dos dias sem ninguémRimbaud

«Limito-me a pôr em boa sintaxe o falar dos meus labregos.» Aquilino Ribeiro

«Dêm-me um herói e escreverei uma tragédia.» Scott Fitzgerald

«O prestígio não pode existir sem mistério, pois temos pouca reverência pelo que conhecemos bemCharles de Gaulle

«Se me perguntasses o que sinto teria dificuldades em responder. Fisicamente é uma espécie de lassidão, de desinteresse, de cansaço como antes da gripe ou de outra doença qualquer, como antes da morte. As pernas doem-me, pesadas, a pele tornou-se mais atenta ao frio e ao calor, à dureza ou à rigidez das coisas. Não me apetece nada, acho-me desconfortável por estar quieto mas achar-me-ia mais desconfortável se me movesse. Fico assim sentado, a olhar em frente, sem desejos, sem vontades, oco. Nem sequer estou triste. Apenas passividade e indiferençaAntónio Lobo Antunes

«A memória é indispensável para que o tempo não só possa ser medido como sentido.» José Cardoso Pires (De Produndis, valsa Lenta)

«O Adeus às Armas é o livro de alguém que fala com frieza porque arde de indignação e que tenta escrever com secura porque não quer chorarClaude Roy

«Há um ponto além do qual já não retorno. É esse ponto que temos de alcançar.” Kafka

«Do verdadeiro adversário passa para ti uma coragem infinitaKafka

«Quem diz que conhece a verdade está a mentir.» Kafka

“O Deus das Moscas”

Março 2, 2021

«O rapaz de cabelo alourado desceu os últimos palmos de rocha e encaminhou-se para a lagoa. Apesar de ter tirado a camisola da escola, que agora lhe pendia de uma mão, a camisa cinzenta colava-se-lhe à pele e sentia o cabelo pegajoso na testa. Em torno dele, a vasta cicatriz rasgada na selva ressumava calor. Avançava com esforço entre as trepadeiras e troncos quebrados quando uma ave, uma visão de tons vermelhos e amarelos, disparou para o céu com um clamor bruxuleante, logo depois ecoado por outro grito.
– Ei! – ouviu-se. – Espera aí!
O matagal numa das margens da cicatriz foi sacudido e uma saraivada de gotas de chuva percutiu as imediações.
– Espera um bocadinho – disse a voz. – Estou preso.»

O Deus das Moscas, William Golding (Trad. Manuel Marques, Ed. D. Quixote)

Anarco-burguês

Fevereiro 28, 2021

© MCS