Saltar para o conteúdo

Porto II

Julho 16, 2022

Depois da experiência anterior (ver post em baixo) entrei numa loja em que o dono era indiano (talvez) e a empregada uma típica tripeira. Aquilo sim! Voltei aos velhos tempos, o indiano fruto dos muitos anos no Porto virgulava com um filho-da-puta para cima e outro para baixo, “aqueles filhos-da-puta dos CTT perderam-me a encomenda; também aquilo agora é só canalhada, não percebem um caralho de nada” (isto com um sotaque ainda de origem). “Na semana passada estive a falar com um amigo que vive em Londres, disse-me ele que o Porto é um paraíso para os turistas e um inferno para quem cá vive. Repare, está à venda à beira dos Clérigos um T0 por 450 mil euros. Está tudo doido! Filhos-da-puta…” Nunca tinha visto um indiano dizer tantos palavrões. Depois a conversa deambulou para a economia internacional (bolha imobiliária americana), terminou com ele a dizer que a garantia dos produtos devia ser um ano. Pois, disse eu, para vender mais, esperto. Mas olhe que querem o contrário, para evitar mais poluição, os produtos deverão durar mais. “Não pode!!”, disse ele, “a nossa economia de mercado não está preparada para isso, a nossa economia foi construída à volta do consumo. Seria um desastre”. E a conversa foi assim por mais tempo.
A dada altura pensei que íamos todos (os das lojas ao lado já tinham entrado na cavaqueira) beber uma cerveja. Isto, sim, é o meu Porto.

Porto I

Julho 16, 2022

Entro numa loja no Porto.

– Boa tarde, procuro…
– Arriba, arriba!
– Como?!
– Ah, desculpe, pensava que era espanhol. A secção de homem é no primeiro andar.

Ainda resmunguei entre dentes “isto está tudo fodido”.

Pessoas

Maio 31, 2022

Crentes

Maio 31, 2022

Há uns anos numa conversa de café foi-nos explicado por um funcionário de um casino o seu funcionamento. Disse-nos ele que os casinos existem para dar dinheiro. Como assim?! Para dar dinheiro?!! Respondeu ele que se não derem dinheiro não têm clientes. E continuou. Os casinos têm de fazer com que os seus clientes acreditem que estão a ganhar dinheiro. Depois disso é sugá-los até ao tutano.

Isto é um resumo da direita. Fazer-nos acreditar que os “casinos” dão dinheiro. E depois…

A origem

Maio 31, 2022

Conforto

Maio 31, 2022

“Zona de conforto” é uma expressão bastante desconfortável.

Perspectiva

Maio 31, 2022

Reserva de ouro

Maio 31, 2022

Vi no telejornal que temos a sexta maior reserva de ouro da Europa. Temos mais ouro do que a Espanha ou o Reino Unido. Também fiquei a saber que este ouro está guardado no Carregado. Mas achei incompetência não terem dito o nome da rua e o número da porta.

Comprei um relógio nos chineses

Maio 31, 2022

Van Gogh

Maio 31, 2022

Hierarquia do humor

Maio 31, 2022

Alemões

Janeiro 17, 2022

Há uns anos, éramos adolescentes, fomos para os copos e apanhámos uma carraspana daquelas à moda de Bukowski. Essa noite ficou-nos na memória porque um do grupo desapareceu praia adentro às tantas da madrugada. Estávamos num bar em cima da praia. Ninguém quis saber, que safoda pensámos nós. Quando já estávamos a sair do bar ouvimos alguém aos berros na praia. Era o nosso amigo que vinha ao nosso encontro e gritava “Fujam! Vêm aí os alemães!” Caputa de bebedeira!
Lembrei-me disto ao ver todos os canais em directo, todos, porque chegou um avião com 26 alemães. Vinte seis! Caputa de carraspana, moço!

Not lost in translation

Janeiro 17, 2022

No que diz respeito à literatura portuguesa só leio no original. Nada de traduções.

Tempo II

Janeiro 17, 2022

Hoje de manhã peguei no relógio para sair e estava sem bateria. Fui buscar um segundo, estava sem pilhas. Fui buscar um terceiro, também sem pilhas. Concluindo, nem o tempo tem tempo para mim.

Tempo

Janeiro 17, 2022

Acendia e apagava o isqueiro. Acendia e apagava o isqueiro continuamente.

– Estás nervoso?

– Não, estou a queimar tempo.

Ganda boi…

Janeiro 17, 2022

Hoje o cabrão do gato chamou-me gordo indirectamente. Deitou-se em cima de mim e encostou a cabeça na barriga como se fosse um travesseiro. O animal…

WTF!

Janeiro 17, 2022

Há uns tempos vi um “”””filme”””” de Michael Bay. Para quem não acompanha estas lides pirotécnicas, eu explico. O Michael Bay está para o cinema como o Chagas Freitas está para a literatura. Ninguém sabe muito bem que raio é que fazem. Apenas se sabe que vendem muito.
A coisa que vi ontem tem umas cenas filmadas em Florença logo no início. Foi isto que me fez, digamos, continuar a ver o acidente. É difícil resistir a tanta chapa batida, tanto sangue Heinz, tanto crash test dummies, sei lá, faz-nos lembrar aqueles carrinhos de choque na festa da Nossa Senhora dos Alfinetes, com aquela rede em cima da nossa cabeça a largar faísca fruto do contacto que aquele ferro que temos nas traseiras do nosso carro faz ao cruzar-se com os outros bêbados ao volante dos carros rodeados de borracha [respira…]. Um gajo dá por nós a pensar (sim, eu também penso por vós): aquilo foi filmado no local, em estúdio ou em CGI? (não sabes o que quer dizer isto? Vai ao google que agora estou a escrever este post e tenho mais que fazer). Então, resolvi ir ao Google procurar a resposta. E finalmente cheguei onde queria chegar. Diz a Wiki que o próprio Michael Bay ficou surpreendido quando foi autorizado a filmar na zona histórica de Florença! O gajo que está habituado a gastar milhões de milhões a destruir merdas nem queria acreditar! Uma corrida de carros no centro de Florença. Cafilhadaputa. Calma que ainda não acabou. A maior surpresa ainda estava para vir: foi autorizado a filmar carros a voar sobre um obelisco com oitocentos anos (diz a Wiki). E agora cito o próprio M. Bay: “Como é que me autorizaram filmar carros a voar sobre um obelisco com oitocentos anos, nem eu sei. Mas não partimos nada.” Dei por mim a pensar, ainda bem que o Cabrita não faz filmes. Quer dizer..

Assim se vê

Janeiro 17, 2022

Segundo as notícias, o Medina é filho de comunistas, o Antonio Costa é filho de comunista e agora o Moedas também é filho de “um histórico comunista” (sic). Se fosse verdade que eles comem criancinhas ao pequeno-almoço nada disto acontecia.

Alheiras

Janeiro 17, 2022

Subia as escadas rolantes quando me cruzei com um grupo de “populares” que descia as escadas ao lado. Diz um deles: “Muito gostam as pessoas de se meter na vida alheira dos outros”. Aposto que eram de Mirandela.

Oráculo

Janeiro 17, 2022

Fui ao talho comprar uns bifes de frango. Não estava mais nenhum cliente. Só se ouvia o barulho das facas e a televisão ligada. Na televisão passava em rodapé em letras grandes “Homem esquartejado pela namorada”. Virei-me para o talhante e disse: “Corte os bifes bem fininhos, por favor”. Agora percebi porque chamam oráculo àquelas letras em rodapé.