Skip to content

“Poesia no Matadouro”

Fevereiro 24, 2016

Uma espécie de manifesto contra a transformação, feita por poetas e editores, da poesia em matéria efémera do capitalismo

de Joana Emídio Marques

Já não há poetas.
Há vacas para o matadouro,
prontas para o abate.
Morte limpa e certeira: um livro de poemas.
Morte organizada e asséptica entre capa, lombada
e fotografia da jovem vaca enquanto poeta.

Todos os dias é preciso matar uma vaca,
imprimir um livro, chamar-lhe poeta
Cabeças de gado para servirem a horda faminta de
comedores de carne poética processada.

Cada vaca dá poesia para dois meses.
Três no máximo.
Depois passa de validade.
Chama-se outra.
Corta-se-lhe as orelhas antes da estocada final no coração.
A coitada, dizem, não deu por nada.

Sai mais um livro ainda a pingar sangue
A carne fresca sempre agradou aos empreiteiros
E os congeladores não têm espaço para mais poetas.
Alguns estão lá há anos e
ninguém os come.

Sobretudo aqueles que ficaram intactos,
os que ninguém petiscou.
Aqueles que serviram apenas para compôr a mesa
nas revistas de fim-de-semana:
os idiotas precisam de poetas a quem dar estrelas.

E as vacas gostam das estrelas,
dos idiotas e das revistas de fim-de-semana..
As vacas acenam com a cabeça e abanam o rabo:
estão contentes com a sua morte.
Gostam de ver a sua carne a apodrecer ao sol
dos elogios.
Fast-poemas comprados numa editora drive in,
embrulhados e servidos em papel colorido
Enquanto os poetas se fantasiam numa vida lendária
de animais selvagens.

Até o Herberto se tornou uma vaca leiteira
que dá poesia todos os anos,
sempre a tempo da feira do livro.
Como será o leite dos mortos?
Oh coelacanto, já ninguém te quer conhecer,
Agora querem todos comprar-te!

E quando não há Herberto,
há noviças.
Engordadas à pressa com ração de Cesariny
Ou
Meninas de boas famílias que escrevem versos
com putas e conas e fodas e nisso reside todo o seu génio
e nisso reside a sua ousadia, a sua eternidade
E chega para vender mais uns quantos livros
e uma noite de poesia na Barraca.

Mas não escapam às grandes arcas frigoríficas dos talhos modernos;
Tens a cona congelada, idiota
e agora ela já não te serve para nada,
porque conas congeladas há muitas e só tu, poeta,
não tinhas percebido.

O povo agora compra poesia.
Antes comprava casas e carros e viagens a Cuba.
Agora compra poesia barata.
Produzida em massa nas tascas:
fast-food, fast-glory
As palavras são tóxicas,
potencialmente cancerígenas,
eventualmente fatais,
mas ao menos não há hipoteca,
nem credores.

A poesia já não é morte a crédito.
É morte comprada barata,
para adornar a pobreza.

Poesia, máquina de imprimir livros,
mortos em série,
de forma limpa e sistemática.
Entre capa, lombada e ilustração personalizada:
a cada vaca o seu carimbo.

E elas morrem. A poesia morre.
Mas todos estão contentes.Contentados.
A morte tem agora um carimbo,
a marca do dono
Pobre arremedo de eternidade!

E tu quando vais para o matadouro?
Olha que morres na mesma, mas morres sozinha.
Olha que os poetas já não gostam de solidão.
São vacas de circo, da graça feérica da miséria.
Imprimem-se livros, paga-se o bilhete, vê-se o espectáculo.

O povo grita, aplaude, grita bis
A vaca lança o livro para a plateia
Alguém o apanha
Alguém o lê em apoteose.
Há aquele verso extraordinário e ele grita:
Ca-ra-lho!
E o povo rebenta em uivos e aplausos.
E triunfante a vaca agradece a sua morte,
o seu aviltamento,
a vaca agradece que a comam.

A poesia morta vai em digressão.
O empresários do matadouro garantem que em todas as salas
alguém leia aquela passagem providencial:
Ca-ra-lho!
Os mais influenciáveis começam a sonhar
nos seus moleskines comprados na Fnac
e escrevem com enlevo três metáforas, dois trocadilhos e um palavrão a rematar o verso.

Todos os dias há mercado.
Todos os dias há poemas frescos,
Compram-se em saldo ao fim de um mês em banca.

Fevereiro de 2016

[via O melhor amigo]

No comments yet

Preencha o vazio:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: