Skip to content

Gozo os campos

Dezembro 3, 2015

field

(Arianna Ruzza)

Gozo os campos sem reparar para eles.
Perguntas-me por que os gozo.
Porque os gozo, respondo.
Gozar uma flor é estar ao pé dela inconscientemente
E ter uma noção do seu perfume nas nossas ideias mais apagadas.
Quando reparo, não gozo: vejo.
Fecho os olhos, e o meu corpo, que está entre a erva,
Pertence inteiramente ao exterior de quem fecha os olhos
À dureza fresca da terra cheirosa e irregular;
E alguma cousa dos ruídos indistintos das cousas a existir,
E só uma sombra encarnada de luz me carrega levemente nas órbitas,
E só um resto de vida ouve.

Alberto Caeiro, in “Poemas Inconjuntos”

Advertisements
12 comentários leave one →
  1. anónimo permalink
    Dezembro 3, 2015 21:00

    dos livros de português do tempo em que andei em humanísticas, tenho caricaturas e rabiscos em todos os poetas, em Fernando Pessoa , estão intocáveis

    Gostar

    • Dezembro 4, 2015 00:42

      Compreendo, é como riscar numa igreja 🙂

      Gostar

  2. anónimo permalink
    Dezembro 3, 2015 21:04

    A criança que fui chora na estrada.
    Deixei-a ali quando vim ser quem sou;
    Mas hoje, vendo que o que sou é nada,
    Quero ir buscar quem fui onde ficou.
    Ah, como hei-de encontrá-lo? Quem errou
    A vinda tem a regressão errada.
    Já não sei de onde vim nem onde estou.
    De o não saber, minha alma está parada.
    Se ao menos atingir neste lugar
    Um alto monte, de onde possa enfim
    O que esqueci, olhando-o, relembrar,
    Na ausência, ao menos, saberei de mim,
    E, ao ver-me tal qual fui ao longe, achar
    Em mim um pouco de quando era assim.

    poema da vida de qualquer ser humano, este gajo não era normal – http://arquivopessoa.net/textos/2455

    Gostar

  3. anónimo permalink
    Dezembro 3, 2015 21:11

    Natal… Na província neva.
    Nos lares aconchegados,
    Um sentimento conserva
    Os sentimentos passados.
    Coração oposto ao mundo,
    Como a família é verdade!
    Meu pensamento é profundo,
    Estou só e sonho saudade.
    E como é branca de graça
    A paisagem que não sei,
    Vista de trás da vidraça
    Do lar que nunca terei!

    em quem nesta quadra não passou por este estado de espírito, bom, eu passei, mas nunca esqueci-o – http://arquivopessoa.net/textos/2449

    quando o lobo antunes escrever assim levo à sério as vacuradas que diz, mas parece-me que tem que comer muiiiiita broa

    Gostar

  4. anónimo permalink
    Dezembro 3, 2015 21:18

    Estás só. Ninguém o sabe. Cala e finge.
    Mas finge sem fingimento.
    Nada esperes que em ti já não exista,
    Cada um consigo é triste.
    Tens sol se há sol, ramos se ramos buscas,
    Sorte se a sorte é dada.

    um estado de espírito que se calhar nos acompanha ao longo da vida, com ciclos – http://arquivopessoa.net/textos/524

    Gostar

  5. Dezembro 4, 2015 00:45

    O arquivo Pessoa está ali na barra lateral há muito!

    Gostar

  6. Dezembro 4, 2015 20:05

    “Preencha o vazio”?
    Bom, ‘tá bem, mas é só para dizer que o Pessoas é altamente rabiscável e terá sido dos autores que mais anotei, sublinhei, exclamei aos alqueires, etc. Lembrem-se que o man faleceu praticamente no anonimato, que comentá-lo no livro é retirá-lo do pódio e colocá-lo na rua, acenando-lhe, dirigindo-lhe um sorriso, nada de invasões da sua esfera privada (que essa, deixou-a em legado a todos nós 🙂

    Gostar

    • Dezembro 5, 2015 01:37

      O Pessoa deve ter sido o poeta que mais copiei. De copiar mesmo, copiava poemas completos só pelo prazer de repetir as mesmas palavras, os mesmos pensamentos. Copiava e deitava fora. No dia seguinte fazia o mesmo.
      Bem, é verdade que só publicou um livro em vida, acho, mas não era nada, mas mesmo nada anónimo. Quer dizer, para a grande maioria da população (analfabeta) claro que sim. Se calhar hoje com uma taxa de alfabetização muito maior não seria nuito diferente. Contas de outro rosário 🙂

      Gostar

  7. Dezembro 5, 2015 15:50

    Não sendo Pessoa anónimo em vida, Mário Cláudio recorda o que Alberto Serpa disse de Pessoa: «Ninguém dava nada por ele!»
    http://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/mario-claudio/interior/lisboa-e-longe-4914873.html

    Gostar

    • Dezembro 9, 2015 22:53

      Não me parece muito correcto essa afirmação de que ninguém dava nada por ele. E mesmo assim vão a Lisboa convidá-lo para participar na revista? Incongruências.

      Gostar

Preencha o vazio:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: