Skip to content

Mataram-me

Outubro 26, 2015

«- Santiago, meu filho – gritou -, que tens tu?
Santiago Nassar reconheceu-a.
– Mataram-me, menina Wene – disse ele.
Tropeçou no último degrau, mas levantou-se logo. “Teve mesmo o cuidado de sacudir com a mão a terra que tinha nas tripas”, disse-me minha tia Wene. Depois entrou em casa pela porta de trás, que estava aberta desde as seis, e desabou de bruços na cozinha.« (pp. 106-107)

Crónica de uma Morte Anunciada [Crónica de una muerte anunciada], Gabriel García Márquez(Trad. Fernando Assis Pacheco, Ed. D. Quixote)

Advertisements
No comments yet

Preencha o vazio:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: