Saltar para o conteúdo

“Na biblioteca, com rosto desconhecido”

Setembro 14, 2011

«Um dia (quem sabe se morta) teria saudades daquelas horas tranquilas, passadas na biblioteca. Que curiosa humanidade ali vinha! Investigadores, circunspectos, que o pessoal cumprimentava reverente, estudantes que se namoravam, olhos nos olhos, por cima dos compêndios, rapazinhos de calção curto à procura de aventuras desmedidas, ou do manual que ensinava a melhor maneira de tratar pombos, professorinhas, ávidas de nomeação no Diário do Governo, soldados, polícias… quanta gente!
A sala dava sobre o claustro e o pátio – canteirinhos de buxo, cortados à garçonne, no meio o chafariz de carrancas, dum granito já lodoso e verdinhento. No parapeito das janelas, abertas à trade de verão, os pombos arrulhavam, cantavam-se, namoravam-se, beijavam-se, descarados, longamente a intervalos. Mas na sala, de paredes recobertas por uma sabedoria antiga, de estranha nomenclatura, impressa em ouro velho e carmesim, nas lombadas grossas das encadernações, havia um peso de silêncio, de concentração atenta, e de paz, onde sabia bem mergulhar. E, no entanto, nunca antes da presença dela, se tinha apercebido de que alguém pudesse frequentar uma biblioteca, como outros frequentavam a igreja, apenas para sentir a santidade do local.
A primeira vez que a tinha visto de costas, uma magreza envolta no vestido de sedinha estampada, uma écharpe pelos ombros, os pés nus metidos nuns sapatos cambados, pensara num fantasma mórbido e romântico, pois distintamente a ouvira requisitar “A Freira no Subterrâneo”, de Camilo. Afinal, era uma mulher da vida. E chocara-a a certeza, quando lhe olhara o rosto, amargo, ensombrado por uma franja (Provocante?) que a tornava dum patético, adolescente, e quadrava mal com o seu corpo gasto. Vinha todos os dias, ao fim da tarde. E a coberto de Camilo, confundia-se com os leitores, vulgares. Mas na verdade pouco lia. Isolada, na mesa do fundo, depois de percorridas duas ou três folhas, ficava-se absorta, um sorriso de beatitude nos lábios, soberbamente alheia, a écharpe descaída, indiferente ao arrulhar insistente dos pombos, que continuavam o seu jogo. Não reparava no que se passava à sua volta.
Não a interessavam nem as roídas encadernações de estranhos títulos – Le Traité des Drogues, Synopsi Univers Pharmacoop de Lemery –, nem as trancinhas miúdas da cabeça que lhe ficava em frente, nem o bigode, sedutor e cinematográfico, do empregado. Recolhida, como sob uma imensa nave sombria, purificava-se apenas da vida gasta nos actos maquinais dum amor sórdido e mal remunerado. Logo que voltasse às ruas donde tinha vindo, não poderia evitar a insistência grosseira dos soldados, a graçola obscena dum bêbedo, os convites. Mas ali, no silêncio da biblioteca, a sua dignidade humana refazia-se, inteira. E diante da moldura dourada e barroca do imenso retrato daquele rei, já sem púrpuras, já constitucional, como se estivesse diante dum sacrário, importunada pelo arrulho dos pombos, insistente, longo, mugido, como um cio avolumado e inadiável – em que estaria a pensar? Nunca viria a sabê-lo e não podia esquecê-la. Nem a ela nem a nenhum dos outros. Aqueles ourives, leitor assíduo e atento que usava óculos na ponta do nariz como um relojoeiro, o cigano, porte altivo de homem livre, impressionante no seu luto de camisa preta, apesar das calças rotas, que lhe punham a nu a carne morena e azeitona. Aquelas paredes, os azulejos conventuais, o pátio e o claustro, aquela paz ficariam para sempre com ela. E o arrulho, mugido, dos pombos? Também. Também se lembraria dele.»

Na biblioteca, com rosto desconhecido, Luísa Dacosta in “Corpo Recusado” (Ed. Figueirinhas)

No comments yet

Preencha o vazio:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: