Skip to content

“Khadji-Murat”

Fevereiro 12, 2010

«Eu regressava a casa pelos campos. Era o pino do Verão. Os prados tinham sido gadanhados e o centeio estava prestes a ser ceifado.
A combinação de flores é fascinante nessa altura do ano: trevos vermelhos, brancos e cor-de-rosa, aromáticos e felpudos; margaridas descaradas; malmequeres brancos como leite, com centros de amarelo garrido e o seu odor apodrecido e condimentado; colza amarela com o seu aroma a mel; campânulas parecidas com túlipas lilases e brancas que se elevam bem alto; ervilhas-de-cheiro rasteiras; apuradas escabiosas amarelas, vermelhas, cor-de-rosa, lilases; tanchagem, azul-escura quando ao sol e na juventude, azul-clara e avermelhada ao pôr-do-sol e com o aproximar da velhice; e as delicadas flores de cuscuta, que murcham num instante, com um perfume de amêndoas.
Colhi um ramo grande das diversas flores e ia para casa, quando notei numa berma uma bardana carmesim maravilhosa, em plena flor, daquelas a que chamamos “tártaro” na minha terra, que os ceifeiros tentam evitar com muito cuidado e que, se for gadafanhada por descuido, separam do feno para não picarem as mãos. Tive a ideia de arrancar esta bardana e colocá-la no meio do ramo. Desci para a berma e, espantando um zangão peludo aferroado no meio da flor num sono solto e mole, comecei a arrancá-la. Mas isso não era nada fácil: não só o caule picava por todos os lados, mesmo através do lenço em que embrulhei a mão, mas era também tão resistente que lutei uns cinco minutos, rompendo as suas fibras uma por uma. Quando finalmente o consegui arrancar, o caule estava todo em farrapos e a flor já não parecia assim tão fresca e bela. Além disso, por ser ordinária e tosca, não combinava com as flores delicadas do ramo. Arrependi-me de ter estragado a flor que ficava bem onde estava e deitei-a fora. “Mas que energia e garra”, pensei eu ao recordar o esforço que fizera para a arrancar. “Como se defendera tão persistentemente e vendera caro a sua vida”.»
(…)
Khadji-Murat, Lev Tolstoi (Tradução de Olga Solovova, Ed. Cavalo de Ferro)

Advertisements

Preencha o vazio:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: