Saltar para o conteúdo

“Ainda há futuros como antigamente?”

Novembro 24, 2009

O blogue A Devida Comédia de Miguel Carvalho está a assinalar a passagem das 100 mil page views publicando textos de outros bloggers sob o tema ‘ “Ainda há futuros como antigamente?”. O resultado do convite que me foi lançado segue em baixo e está aqui:

___________________________


Quando me foi lançado o desafio com a frase “Ainda há futuros como antigamente?” a primeira ideia que me veio à cabeça foi responder com um “já tenho saudades do futuro”. Por sua vez, o futuro surge muitas vezes associado à esperança. E quando me falam em esperança, penso em Raoul Vaneigem “a esperança é a trela do homem”. Frase sinistra e derrotista, não? Até dá vontade de ganir (por ser verdadeira, talvez?).

Mais achas para a fogueira: há por aí uns tipos que defendem que “a História não se repete” (coisa em que não acredito), logo não pode haver futuros como antigamente. Afinal ela não se repete… Esta parece-me uma equação fácil de fechar.

Esta pergunta remete-nos também para a questão do Tempo. No que ao relógio diz respeito, o futuro antigamente ficava mais distante, era mais lento, isto é, demorava mais tempo a concretizar-se. Era preciso dar corda aos relógios, coitados, ainda não se tinham inventado os de quartzo. Assim, às vezes esqueciam-se de dar corda e, então, o futuro atrasava-se. (“Ainda não está pronto Sr. António, volte cá prá semana. O raio do relógio está sempre a parar!”). Hoje é ligeiramente diferente (pudera! hoje até temos relógios atómicos, vrruum). Parece-me que o futuro está à porta de cada vez que saímos de casa.

Conclusão diferente tem a minha vizinha do 3.º esquerdo (a velha nunca sai de casa) que passa a puta da vida a repetir: “Já não há futuros como antigamente, antigamente é que era.” Ou o Sr. José lá do café central: “Isto já não é como antigamente. Antigamente olhava para o futuro e via o Benfica campeão, agora népias. Dou graças a Deus por nunca ter prometido não aumentar o café enquanto o Benfica não for campeão, chiça, que me livrei de boa!” (Tenha calma Sr. José, acredite em Jesus. No que pinta o cabelo, é claro.)

Mas no fundo, no fundo (sejam honestos, o que é que respondem quando vos perguntam pelo futuro?) desejamos o mesmo de sempre: “um futuro melhor”. Qual Miss Mundo em discurso de vitória. Frase insípida, gasta e esbatida, ainda hoje muito em voga e que, por isso, me leva a concluir que “ainda há futuros como antigamente”. Há, sim senhor. Depois ainda dizem que a História não se repete…

No comments yet

Preencha o vazio:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: