Saltar para o conteúdo

‘O rio e a guerra’

Outubro 29, 2009

«Saiu do ventre da mãe em pleno dia, perto de um monte de estrume, perdido sob uma nuvem de moscas cor de esmeralda – de cabeça para a frente, patazinhas dianteiras bem esticadas. A primeira coisa que viu na vida foi uma bolazinha efémera azulada produzida por um obus, que rebentou mesmo por cima da sua cabeça. Enquanto o fumo se dissipava, um uivo estarrecedor atirou-o, corpozito ainda molhado, contra as patas da mãe. O horror foi a primeira sensação que experimentou na terra. O granizo fedorento da metralha fez plique-ploque nas telhas da cavalariça e salpicou a terra, obrigando a mãe do poldro – a égua ruiva de Trafime – a pôr-se de pé de um salto. No instante seguinte, porém, lançou um relincho curto e voltou a apoiar-se de flanco suado no monte salvador do estrume.»
(…)
O rio e a guerra, Mikhail Cholokhov (Tradução de Alexandre Bazine, Ed. Campo das Letras)

No comments yet

Preencha o vazio:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: