Skip to content

“As doze cadeiras”

Junho 15, 2009

“Eram tantas as barbearias e as agências funerárias espalhadas pela capital de distrito N., que os seus citadinos pareciam nascer apenas para fazerem a barba, cortarem o cabelo, borrifarem a cabeça de água perfumada e morrerem logo de seguida. Na realidade, as gentes da capital distrital muito raramente nasciam, se barbeavam e morriam. A vida, em N., era pacatíssima e as noites primaveris deliciosas, a lama brilhava como antracite sob a lua e toda a mocidade local andava tão apaixonada pela secretária do Sindicato dos Serviços Comunais que a situação começava a estorvar seriamente a cobrança das quotas.
Os problemas da vida e da morte nada preocupavam Ippolit Matvéevitch Vorobiáninov, embora eles fossem da sua competência todos os dias úteis, das nove da manhã às cinco da tarde, exceptuando a meia hora do almoço.
(…)
As doze cadeiras, Iliá Ilf e Evguéni Petrov (Tradução de Nina Guerra e Filipe Guerra, Ed. Campo das Letras)

Anúncios
No comments yet

Preencha o vazio:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: